PROJETO BRASIL

contato@projetobrasil.net.br

  BENVINDOS AO SITE DO PROJETO BRASIL - WELCOME TO THE PROJETO BRASIL SITE

 O PROJETO BRASIL É UMA MENSAGEM DE ESPERANÇA COM PROPOSTAS CONCRETAS PARA CONSTRUÇÃO DE UMA NOVA REALIDADE, A PARTIR DA FORMAÇÃO DE UMA NOVA CONSCIÊNCIA INDIVIDUAL

"MUDA TEUS HÁBITOS E OS NOVOS HÁBITOS ACABARÃO POR TE MUDAR"

 

A Engenharia do Consentimento – Daniel C. Ávila.

http://www.ip.usp.br/portal/index.php?option=com_content&view=article&id=1927:v3n1a09-a-engenharia-do-consentimento&catid=340&Itemid=91

Em 2002 a BBC transmitiu uma serie de documentários a respeito da recepção e da aplicação das teorias de Sigmund Freud nos Estados Unidos e Grã-Bretanha. 

The Century of the Self pretendia expor de que maneira as ideias do fundador da psicanálise haviam sido exploradas não apenas por médicos e psicólogos, mas também por organizadores de campanhas e políticos, afetando a representação de democracia com noções como inconsciente, desejo e neurose.

Segundo seu produtor, Adam Curtis, seria uma “serie sobre como aqueles no poder na América pós-guerra usaram as teorias de Freud sobre a mente inconsciente para sujeitar e controlar as massas”.

Com capítulos dedicados aos herdeiros da psicanálise no mundo anglo-saxão como Wilhem Reich e Anna Freud, além de contar com a participação periférica de outros psicanalistas importantes como Ernest Jones e Ernst Federn, a serie também apresentou um personagem geralmente desconhecido pelo público não especializado: Edward Louis Bernays, sobrinho em segundo grau de Freud.

Em 1917, quando os EUA declararam guerra à Áustria e aos outros países da Tríplice Aliança [Primeira Guerra Mundial], Bernays foi convidado a participar do Comitê de Informação Pública, órgão criado pelo governo norte-americano com o objetivo de divulgar para a população o esforço de guerra em promover a democracia em todo o mundo.

Com apenas 27 anos, ele integrou a comitiva que acompanhou o presidente Woodrow Wilson na conferência de paz em Paris, atestando seu desempenho excepcional no contato com o público.

No retorno aos EUA, Bernays se perguntou se a propaganda, tão efetiva nos tempos de guerra, poderia ser usada também durante a paz.

Assim, chegando a Nova York passou a oferecer às empresas norte-americanas seus serviços de Relações Publicas [ Public Relations], profissão que ele recém inventara.

Bernays propunha que as Relações Publicas poderiam empregar as ideias da psicanálise na solução de problemas de consumo que surgiam na florescente sociedade industrial que brotava no pós-guerra.

Bernays fez os livros de Freud serem publicados como também se tornou um “agente” de Freud, promovendo e divulgando-os “fazendo-os polêmicos”, e tornando a psicanálise conhecida e aceita junto a sociedade norte-americana.

Os livros de Bernays, bem como os textos ditos sociológicos de Freud, passaram a ser lidos não apenas pelos grandes empresários e publicitários norte-americanos. Eles prontamente influenciaram jornalistas e intelectuais, e fomentaram discussões a respeito da capacidade das massas em participar dos processos políticos sem se comportar como uma turba incontrolável.

Bernays acreditava poder convencer as massas a abandonarem sua agressividade primaria e perseguirem um fim socialmente desejável, em um governo sintonizado com suas necessidades de consumo e de felicidade.

Livrando as pessoas das frustrações diárias e controlando o desejo irracional por meio da “engenharia do consentimento”, os políticos e empresários eliminariam ao máximo as perturbações sociais, soterrando-as sob um constante bem-estar e prazer.

Ele definiu esse modelo da sociedade como Democracity, a cidade verdadeiramente democrática, uma utopia da liberdade e do capitalismo.

Democracity foi apresentada ao público na Feira Mundial de Nova York em 1939, na forma de um imenso edifício de forma esférica, na qual era exibida uma maquete futurista da sociedade norte-americana, elaborada pela General Motors.

O evento foi um sucesso de público, atraindo mais de 44 milhões de pessoas.

Muitas atuações de Bernays foram alvo de severas críticas.

Suas obras, ademais, foram empregadas em diversos fins que o próprio Bernays não esperava.

Ele teria ficado chocado, por exemplo, ao descobrir que Goebbels[ ministro da Propaganda de Hitler] lera Crystallizing Public Opinion – publicado em 1923- para planejar o extermínio dos judeus da Alemanha nazista e aumentar o apoio da população alemã a tal atrocidade.

Massa e Poder é o título de um livro de Elias Canetti, onde pode-se ler o seguinte:

A Escravidão

O escravo é uma propriedade como o gado o é, e não como uma coisa inanimada.

Sua liberdade de movimentos lembra a de um animal ao qual se permite pastar e fundar algo como uma família.

O verdadeiro caráter de uma coisa é sua impenetrabilidade. Ela pode ser chutada e empurrada, mas é incapaz de armazenar ordens.

A definição jurídica do escravo como coisa e como propriedade é, pois, enganosa. Ele é um animal e uma propriedade. É antes como um cão que se pode comparar um escravo.

O cão capturado foi retirado de sua matilha: foi isolado. Está sob as ordens de seu dono. Abre mão de suas próprias iniciativas, na medida em que estas contrariem tais ordens, e, como recompensa por isso, é por ele alimentado.

Alimento e ordem possuem assim, tanto para o cão quanto para o escravo, uma mesma fonte – seu dono -, e, nesse sentido, não é totalmente inadequado comparar-lhes o status ao das crianças.

O que, porém, os diferencia destas tem a ver com a maneira como administram as metamorfoses.

A criança exercita todas as metamorfoses das quais, mais tarde, possa vir a precisar.

Nesses exercícios, os pais a ajudam e, com os novos desafios, estimulam-na sempre a novos jogos.

A criança desenvolve-se em muitas direções e, uma vez tendo adquirido o domínio sobre suas metamorfoses, é, como recompensa, acolhida numa categoria mais elevada.

Com o escravo acontece o contrário.

Assim como o dono não permite ao cão caçar o que quiser, mas restringe o âmbito dessa caçada segundo o que melhor lhe aprouver, assim também retira do escravo as metamorfoses que este desenvolveu.

O escravo não pode fazer isto ou aquilo; certos afazeres específicos, porém, ele tem de repeti-los, e quanto mais monocórdios estes forem, tanto mais seu senhor os destina a ele. Enquanto se lhe permite realizar os mais diversos afazeres, a divisão do trabalho não representa perigo para o modo como o homem administra suas metamorfoses.

Mas, tão logo ele é restrito a uma única tarefa, devendo, ademais realizá-la com a máxima eficiência no menor tempo possível – ser, pois, produtivo -, o homem se torna aquilo que verdadeiramente se definiria como escravo.

Desde o princípio, deve sempre ter havido duas espécies bastante distintas de escravos: uns atrelados exclusivamente a um único dono, como os cães domésticos, os outros reunidos feito os rebanhos no pasto.

Tais rebanhos, certamente há que se considerá-los os mais antigos escravos do homem.

O desejo de transformar homens em animais constitui o mais forte impulso para a propagação da escravidão.

Não há como superestimar a energia desse desejo, bem como a do desejo contrário: o de transformar animais em homens.

Tão logo os homens conseguiram acumular tantos escravos quanto o número de animais em seus rebanhos, estavam lançadas as bases para o Estado e o despotismo, e não pode haver dúvida de que o desejo de transformar um povo inteiro em escravos ou animais faz-se tanto mais forte no soberano quanto maior o número de pessoas que compõem esse povo.

Devemos relembrar a citação de Edward Bernays no seu livro “Propaganda”:

“A consciente e inteligente manipulação dos hábitos organizados e opiniões das massas é um importante elemento na sociedade democrática.

Aqueles que manipulam este despercebido mecanismo da sociedade constituem um governo invisível que é o verdadeiro poder regulador de nosso país…

Nós somos governados, nossas mentes são moldadas, nossos gostos formados, nossas ideias sugestionadas, largamente por homens de quem nunca ouvimos falar.  Isto é um resultado lógico do caminho em que nossa sociedade democrática é organizada.

Vasto número de seres humanos devem cooperar desta maneira se eles tem que viver juntos como uma sociedade que funciona sem dificuldades…

Em quase todo ato de nossas vidas diárias, tanto na esfera da política ou dos negócios, em nossa conduta social ou em nosso pensamento ético, nós somos dominados por um número relativamente pequeno de pessoas…que entendem o padrão de processo mental e social das massas. São eles que puxam os fios que controlam a mente do público.”

A influência de Edward Bernays, desde 1913, quando começou a atuar na política americana e inglesa e junto as grandes corporações americanas, é tão grande, que seria necessário escrever um livro apenas sobre este assunto.

Ele escreveu diversos livros sendo um deles – Propaganda (1928) – disponível livremente na internet.

Ele foi considerado um dos homens mais influentes do século XX porém pouco se ouve falar dele.

 

28/07/2018 -  Lidiane Franqui - Você sabe o que é a Engenharia do Consentimento?

Faz parte do nosso processo de autoconhecimento, ou de despertar como gosto de dizer, questionar o modelo de vida em que vivemos.

Isso é fundamental, uma vez que nossa sociedade está longe de ser um bom lugar para se viver.

Nesse processo, precisamos ir fundo na busca por respostas.

Quando estive pela primeira vez diante do assunto “Engenharia do Consentimento” comecei a entender porquê certas coisas acontecem desde muito tempo e porque nosso modelo social é precário, escravocrata e excludente.

Mas, afinal, o que é essa tal Engenharia do Consentimento?

Resumindo, podemos dizer que se refere às técnicas empregadas por um pequeno grupo que detêm o poder para manipular uma massa.

Você deve agora mesmo está pensando: “Ah, Lidiane, mas isso é coisa de gente que vê teoria da conspiração em tudo!

Não é bem assim.

A respeito do assunto, Hélio Couto foi bastante explicativo ao dizer que uma massa controlada pela Engenharia do Consentimento:

·         Distrai-se continuamente com coisas que não acrescentam nada para a sua evolução;

·         Coloca o foco nos problemas;

·         Acha que o futuro será melhor sem fazer nada para isso se concretizar;

·         Adia aquilo que é indispensável para a sua evolução;

·         Evita crescer e ser um adulto maduro e responsável;

·         Separa a parte emocional da racional;

·         Está sempre se sentindo dividido;

·         Aceita a ignorância e a mediocridade como normais;

·         Não acredita que pode mudar de vida;

·         Recusa-se a aceitar que podemos mudar nossa realidade.

Esses são apenas alguns exemplos dos comportamentos de uma massa manipulada.

Porquê essas pessoas querem manipular a massa? O que elas ganham com isso?

Veja bem:

Quanto mais violência, mais medo, quanto mais medo, mais artifícios de segurança privada as pessoas e empresas consomem e mais as empresas de seguro faturam.

Quanto mais medo as pessoas sentem, mais elas ficam em casa, quanto mais elas ficam em casa, mais facilmente elas serão condicionadas e quanto mais condicionadas, mais elas assistem TV aberta.

Portanto, quanto mais assistem, mais audiência elas têm, mais faturamento, maior controle e maior share de atuação no mercado, sem contar é lógico no agregado que se consegue captar para as religiões. Simples Assim.” – (Carlos Torres)

É tudo por poder.

É uma forma de deixar a massa (você) quietinho, no seu mundo de fantasias, no seu lugar. Enquanto você está ocupado com a novela, futebol ou programas sem valor, não tem tempo para questionar o que realmente importa, muito menos para aprender algo de real valor.

Isso é usado largamente na política, na economia, pelas escolas e por todos aqueles que não querem ver seus interesses serem prejudicados.

A grande questão é que a grande maioria da população nem tem ideia de que isso acontece – a massa é burra!

Primeiro porque as técnicas utilizadas são muito sutis, segundo porque elas já estão tão manipuladas, que o assunto nem chega a ser levado a sério — espero que não seja o seu caso.

Desse modo, com os meios de manipulação em massa empregados, na maioria das vezes o que você pensa, não é o que realmente pensa; é o que o poder quer que você pense!

“Pensamentos que foram sutilmente introduzidos na sua mente e você pensa que são seus pensamentos, mas não são. E para que você não pense a respeito, você é bombardeado constantemente pela mídia, de todas as formas possíveis.&rd


VAMOS REPENSAR NOSSA CULTURA,  NOSSO PAÍS E  NOSSO MUNDO?

Por que temos que viver permanentemente ameaçados pela violência, cada vez maior, que assola as grandes cidades?

Por que temos que adotar um estilo de vida consumista que está destruindo os recursos do planeta?

Por que temos que aceitar trabalhar um vida inteira e vivermos o pouco que nos restará  com uma aposentadoria miserável? 

Por que temos que chegar a matar ou morrer torcendo por um clube que nem sabe que existimos?

Por que somos tão alienados?

Por que precisamos de leis para nos proteger dos perigos do excesso de velocidade?

Por que tentamos enganar os "pardais" que têm o objetivo de proteger nossas vidas?

Por que somos tão irracionais?

Por que ingerimos alimentos e bebidas que sabemos nocivos à saúde?

Por que muitos médicos fumam e morrem de enfarte?

Como cuidarão de nossa saúde se não têm competência para cuidarem-se de si mesmos?

Por que matamos animais (coelhos, galinhas, bois, porcos, etc) para  comer sua carne?

Por que somos tão bárbaros e tão covardes?

Por que fazemos questão de manter vivas pessoas vegetando, às vezes por anos sobre uma cama, em vez de adotarmos a eutanásia?

É um procedimento egoísta e desumano mas muito lucrativo para os médicos, hospitais e laboratórios!

É isso que queremos para nós? Onde está nossa compaixão?

Por que muitos se envolvem com drogas sabendo que é um caminho sem volta?

Por que destruímos nosso pulmão fumando ou o nosso fígado ingerindo bebidas alcoólicas?

Por que somos tão incompetentes para administrar a saúde que é nosso maior patrimônio?

Por que consumimos peixes que vêm do mar, verdadeiro esgoto da humanidade, entulhado de lixo, dejetos e mortos de todas as espécies, inclusive pessoas?

Por que muitas pessoas têm satisfação em assistir uma luta de boxe?

Por que consumimos a violência que nos fornecem pela televisão? 

Por que somos tão violentos?

Por que tantas pessoas voam de ultraleve ou asa delta numa demonstração de total desprezo pela própria vida?

Por que são tão imbecis?

Por que jogamos lixo nas ruas e avenidas?

Por que levamos cães para fazer as necessidades nas ruas sujando as calçadas por onde transitam crianças?

Por que somos tão porcos?

Por que privamos os pássaros da liberdade colocando-os nas gaiolas?

Por que somos tão monstruosos?

Por que os jogos de videogame plantam a violencia na vida de crianças e adolescentes?

Por que as autoridades gastam recursos para instalar a fiscalização eletrônica nas rodovias e depois gastam mais dinheiro colocando avisos onde se encontram os radares, anulando assim o objetivo principal, que é reduzir acidentes e proteger nossas vidas?

Por que são tão incompetentes?

Por que a mídia faz propaganda gratuita de organizações criminosas divulgando suas siglas até então desconhecidas?

Por que também divulgam como a polícia desvendou um crime ou prendeu um assassino?

Por que a TV serve de instrumento para divulgação e propagação da maldade, do crime e do vício através de filmes e novelas?

Por que os meios de comunicação praticam ações tão perniciosas e estúpidas? 

Por que os fabricantes de motos continuam produzindo equipamentos com banco de carona que facilita a execução de assassinatos?

Por que os fabricantes só pensam no maldito dinheiro em vez de se preocupar em participar ativamente na diminuição da violência?

Por que são tão gananciosos?

Por que quem menos pode é que tem mais filhos, gerando uma infinidade de pessoas infelizes?

Por que gastamos tempo falando, gritando, esbravejando, xingando o governo em vez de trabalharmos organizada e inteligentemente na transformação da triste realidade em que vivemos?

Nada vai mudar neste país enquanto as pessoas de bem não saírem da imobilidade, se  conscientizarem de sua  responsabilidade e sua força e fizerem sua parte!

contato@projetobrasil.net.br 

COMPORTAMENTO RACIONAL

A construção de uma sociedade de paz, mais generosa, solidária e feliz começa dentro de cada um de nós começando pela aceitação de que somos parte do problema e temos que ser parte da solução alterando profunda e radicalmente nossas convicções e adotando um Comportamento Racional.

Este é o único caminho para a combater a maldade, violência, corrupção, alienação e escravidão em que estamos mergulhados

1 - Adotar alimentação e estilo de vida saudável 

2 - Não fumar nem beber sistematicamente

3 - Não criar de cães de raça. A crianças indefesas são as maiores vítimas

4 - Não consumir nenhum estimulante

5 - Não soltar balões

6 - Respeitar as leis de transito, principalmente os limites de velocidade

7 - Não jogar lixo nas ruas e praças nem levar animais que lançam excrementos nas mesmas

8 - Não consumir carne animal

9 - Nunca se envolver em atividades ilícitas

10 - Não gastar dinheiro com animais de estimação

11 - Não manter pássaros nem outros animais em cativeiro

12 - Não dirigir após beber, mesmo socialmente

13 - Sempre cumprir suas obrigações e responsabilidades familiares

14 - Nunca abandonar os filhos ou a esposa/companheira, nem os deixar passar necessidades

15 - Nunca agredir uma mulher ou uma criança nem qualquer pessoa

16 - Não assistir filmes de violência

17 - Não assistir filmes de sexo na presença de crianças

18 - Não comprar revistas de mulheres nuas

19 - Não assistir programas de TV de baixo nível cultural

20 - Não ser torcedor ativo de clubes esportivos nem fazer parte de torcidas organizadas

21 - Não enganar o patrão consumindo seu tempo de trabalho com assuntos fora de suas atividades durante o expediente

22 - Não explorar o empregado exigindo o máximo e pagando o mínimo

23 - Não enganar seus semelhantes para obter vantagens de qualquer espécie

24 - Fazer exames preventivos anuais

25 - Ter consciência de que pode contribuir para um mundo melhor através de seu comportamento e suas atitudes

26 - Respeitar as minorias étnicas e sociais

27 - Ser amoroso com pais, filhos e esposa/companheira

28 - Não perder seu tempo com atividades frívolas

29 - Ter personalidade e não fica copiando os modismos tipo tatuagem, piercing, etc

30 - Não participar de nenhuma religião ou sociedade secreta

31- Ter consciência ecológica e se empenhar em defender o meio ambiente

32 - Não fazer parte de clubes de caça, nem pesca

33 - Não cultivar sentimentos negativos como ódio, vingança e ciúme

34 - Ser uma pessoa generosa, capaz de sacrifícios pelo seu semelhante

35 - Não subornar autoridades (ex. guarda de transito)

36 - Não ficar preocupado em descobrir onde tem vigilância eletrônica nas estradas para desrespeitar os limites de velocidade sem ser multado

37 - Não possuir nem guarda armas de qualquer espécie

38 - Ser a favor da proibição de fabricação e comercialização de armas

39 - Não praticar esportes radicais

40 - Não dar esmolas

41 - Não desempenhar atividades policiais

42 - Não dar sustentação financeira a programas de baixo nível cultural através de ligações telefônicas que resultarão em lucro para as emissoras de TV

43 - Não assistir novelas nem permitir que seus filhos assistam

44 - Não consumir  nem divulgar musica marginal

45 - Não traficar drogas

46 - Não andar de motocicleta

47 - Ser a favor da pena de morte para crimes hediondos

48 - Ser a favor de colônias agrícolas para presos, sem direito a visitas

49 - Não ter comportamento violento

50 - Sempre procurar resolver todas as questões com diálogo

 

 

 



-->